terça-feira, 20 de janeiro de 2009

DEVERES HUMANOS :

MÚSICA & SOLIDARIEDADE

A rapidez das diversas formas de nos comunicarmos trouxe uma constatação: o Planeta Terra é cada vez menor, muito menor do que há cinco décadas,ainda menor que há cem anos;era enorme no início da Idade Moderna. O mistério do planeta é que já não há mais segredo entre os povos, apesar dos inevitáveis estranhamentos. Porém fica a sensação de sermos navegantes, ou seja, todos no mesmo barco e na certa, passageiros. As tentativas de entendimento muitas vezes vão através do código-música, embora o vigor econômico de algumas nações estabeleça um sentido vertical no que poderia ser um saudável intercâmbio.

Mas não é só de sons musicais produzidos por humanos que gira o astro: está aí a música concreta dos tsunamis, tornados, avalanches e águas furiosas, e comprovadamente, a mão do Homem é co-autora dessa ópera natural. Aqui bem perto de nós, em nossa Região, populações de diversas localidades sofreram (e sofrem) com essa adversidade. E também aqui brotou a iniciativa de se agrupar diversas bandas roqueiras na finalidade de organizar um evento musical por meio de trabalho voluntário. O catalisador da coisa toda, nosso companheiro de coluna n’O Diário, Romualdo Braga, explica: “No dia 25 de janeiro partir das 10 horas os músicos de Campos e região tem um encontro marcado no Ginásio do Americano F. C. Com o sugestivo nome de "Campos Rock da Solidariedade", este evento musical tem como objetivo central arrecadar o maior numero possível de doações- produtos de limpeza, alimentos não perecíveis, roupas e colchonetes para os desabrigados das enchentes em nossa região”. Serão doze grupos, como Cactus Kid, Kamikaze 80, Avyadores do Brazyl, Reubes Pess,Evolução da Espécie entre outros, além da exibição de esportes radicais e DJs.

Para finalizar, o que eu tenho intuído é que existem dois jeitos de se encarar a música: como agente de mudanças ou mercadoria para ajudar o tempo (tédio com todas maiúsculas) passar. Cada músico traz consigo seu background social, político ou moral para tomar o rumo que acha correto, mas a realidade é uma só: devemos solidariedade com o outro e buscar uma vida mais humana. Nessa luta ou se é guerreiro por convicção ou soldado da fortuna; dizem que o primeiro,quando vai para o inferno, é para se reagrupar com seus camaradas e contra-atacar.

Vejo vocês no “Campos Rock da Solidariedade, os roqueiros em defesa da vida!”.

2 comentários:

Nick disse...

grande luiz!
post magnífico, e desde já agradeço à companhia em nossa aventura.

até domingo e muita sorte pra nós!

Luizz Ribeiro disse...

Podes crer,Nick!Até!...